.

.

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

A LENDA DO NEGRINHO DO PASTOREIO


Caríssimos e Caríssimas... Eu poderia retomar minhas postagens falando de qualquer outro assunto. Mas achei pertinente retornar ao ponto de onde parei... Ah! É provocativo? Claro que sim... E Porque não? Sinto-me hoje “legalmente” apropriado e livre para falar sobre qualquer temática que me venha à cabeça, desde que munido de responsabilidades, direitos legais e respeito mútuo. É bem verdade que permaneci calado, ausente e engasgado todo esse tempo, mas agora que me foi dado “Ganho de Causa” no tocante à Calúnia (art. 138 do Código Penal); Difamação (art. 139 do Código Penal) e Injúria (art. 140 do Código Penal). Onde todas as acusações a mim direcionadas foram consideradas de cunho insubstancial - e consequentemente – Infundadas. Agora faço valer meu direito de “blogar” sem a PREOCUPAÇÃO EXCESSIVA com o politicamente correto. Portanto, ouso contar uma Lenda do Folclore Popular Brasileiro que permeou minha infância:
O NEGRINHO DO PASTOREIO

Esta é uma lenda de origem gaúcha, com fundamentos católicos e europeus. E foi muito contada no final do século XIX por brasileiros que defendiam o fim da escravidão. Conta-nos a lenda que há muito tempo, lá pelos pampas gaúchos, no Rio Grande do Sul... Existia um estancieiro avarento e muito cruel com seus escravos e peões.

"Só para três viventes ele olhava nos olhos: era para o filho, menino cargoso como uma mosca; para um baio cobos-negros, que era o seu parelheiro de confiança, e para um escravo, pequeno ainda, muito bonitinho e preto como o carvão e a quem todos chamavam somente, o Negrinho. A este não deram padrinhos nem nome; por isso o Negrinho se dizia afilhado da Virgem, Senhora Nossa, que é a madrinha de quem não a tem." ( LOPES NETO, Simões. 1960).

Naqueles fins de mundo, o estancieiro fazia o que bem entendia, sem dar satisfação a ninguém. Certa vez, debaixo de um frio desgraçado, o cruel senhor mandou que o Negrinho fosse pastorear os cavalos e os potros, coisa muito comum nos tempos em que os campos de estância não careciam de cercas aramadas. E o tal escravo Negrinho - órfão de pai e mãe – e que era maltratado por todos, principalmente pelos filhos do seu senhor, lá se foi, por entre os campos a pastorear... E era sempre assim, fizesse chuva ou fizesse sol, lá estava o Negrinho do Pastoreio pronto para servir. Mas um dia o pobre Negrinho perdeu um dos cavalos no pastoreio. E foi o suficiente para que ele apanhasse – impiedosamente - amarrado a um tronco. E mesmo cambaleando de dor, ainda foi obrigado a procurar o tal cavalo extraviado. Já se fazia noite, daí ele pegou um toquinho de vela e saiu campeando noite a fora. Mas de nada adiantou! O toquinho de vela acabou, amanheceu o dia e ele teve que voltar a estância sem vestígios do cavalo. Então foi outra vez amarrado ao tronco e barbaramente surrado até a morte. Dizem que o cruel patrão mandou abrir uma vala junto a um grande formigueiro localizado debaixo de uma árvore e jogou o pobre Negrinho lá, para que as formigas dessem conta do que restou de seu escravo. No outro dia, o estancieiro impiedoso foi com os peões e os escravos ver o formigueiro. E qual não foi sua surpresa ao ver o Negrinho do Pastoreio vivo e contente, ao lado de ninguém menos que a Virgem Nossa Senhora. E logo mais adiante, o cavalo outrora perdido. O estancieiro se jogou no chão pedindo perdão, mas o negrinho nada respondeu. Apenas beijou a mão da Santa, montou no cavalo e partiu conduzindo a tropilha. Desde então o Negrinho do Pastoreio ficou sendo o “achador” das coisas perdidas. E para que isso aconteça, basta apenas acender um toquinho de vela e pedir assim: "Foi por aí que eu perdi… Foi por aí que eu perdi… Foi por aí que eu perdi…" Se ele não achar ? Ah, meu bem!!! Ninguém mais acha.
Penso o seguinte: Durante toda minha infância escutei essa história, fosse contada pelo meu avô Albino, por minha mãe e/ou minhas tias; li também por diversas vezes essa mesma história; realizei trabalhos escolares na semana do folclore com o referido tema e até promessa fiz para o Negrinho do Pastoreio... Como é que agora - na casa dos quarenta - iria desconstruir tudo isso? E o que é pior, com a mesma facilidade com que tenho a obrigação de introjetar o politicamente correto no meu cotidiano. Sinceramente, não me imagino tendo que contar para meus futuros netos a “Lenda do Afrodescendentezinho do Pastoreio”. Sei da importância do politicamente correto e do respeito que precisamos ter em relação ao outro, com suas caracteristicas, desejos, formação e experiências. Mas não há como negar que – infelizmente – tem muita gente paranóica que exagera no politicamente correto e se utiliza da hipocrisia para atingir os menos desavisados. Portanto, que o Negrinho do Pastoreio ajude o Sr. Erinaldo Francisco de Almeida Trajano, bem como as Sras. Alexandra Maria Sotero Diniz Sobrinha e Dandara Lethieri Vasco d’Almeida a encontrarem o caminho do bom senso e da verdadeira militância em prol dos Direitos Humanos.


Fontes de Pesquisa:

LOPES NETO, João Simões. Simões Lopes Neto; contos e lendas. 2ª ed. Rio de Janeiro, Editora Agir, 1960. Nossos Clássicos, 5;

CASCUDO, Luís da Câmara. Geografia dos mitos brasileiros. 2ª ed. São Paulo, Global Editora, 2002, p.328-334;

Agradeço a todos os amigos que se manifestaram através dos comentários e em especial aos blogueiros amigos: LUSA VILAR, CRISTINA SIQUEIRA, CARLINDA NUNES E O MARCO SANTOS.

15 comentários:

cristinasiqueira disse...

Oi Marcos,

Não o conheço pessoalmente mas como gosto de você!
Além de ter o dom de contar histórias,desencavá-las das lembranças da infância que acredito ter sido de muito boa têmpera voce mesmo indignado atestou decência,coragem,dignidade.
Bravíssimo!Estou hiper feliz com sua volta triunfal ao universo blogueiro.
Seu espaço retrô,vintage,vai além ,muito além do "politicamente correto" pois a palavra "correto aliada a palavra "politicamente" dá uma fusão estranha,meio que deslavada...Prefiro e muito o tom de suas Caríssimas Catrevagens que tive que ir me entender com o dicionário para descobrir o que era...pois é Santa e Rica lingua portuguesa e aplausos a sua atitude ética e estética.Pára não!!!Lindo texto do Negrinho do Pastoreio.Já acendi minhas velinhas a este bondoso e iluminado espírito.E tudo se acha até a justiça.

Com carinho,

Cris

Augusto Campello Mendes disse...

E num é que o sábado amanheceu sorrindo para mim...Pois você esta de volta e livre desse pesadelo que acompanhei tão de perto, né amigo? Bom, isso agora é passado... E vamos cascavilhar mais catrevagens para poder postar. Quanto a lenda do Negrinho do Pastoreio, ela fez história na minha vida também. Quantas vezes perdi a chave da casa, documentos importantes, objetos... Lembro que certa vez perdi minha aliança de casamento e quase fui expulso de casa (rs!). Mas o Negrinho do Pastoreio me fez o gentil favor de descobrir onde estava. Havia deixado em casa de minha irmã, juntamente com meu estojo de barbear... Enfim, sou muito grato ao Negrinho do Pastoreio. E quero dizer que tanto eu quanto Adalgisa estamos muito felizes com o seu retorno. Te temos como a um filho, bem sabes disso. Abraços

Lila - Lilianne Cabral disse...

Você é PURA ELEGANCIA!!! Até para dar o trôco e fazer jus aos teus direitos você nos surpreende... Tenho orgulho de ser tua parceira.
Te vejo amanhã no trabalho. A segunda feira nos espera meu lindo...

Anônimo disse...

Amigo,

Fiquei imprecionado que em tempos de gripe suína - influenza A(H1N1), turbulênica econômica no mundo, escandalos no Senado Nacional (claro que esse não conta porque sempre houve!!), ainda temos que ficar preocupados e indignados com DESOCUPADOS que não tem o que fazer e ficam "pentelhando"!. Você que só quer nos trazer alegrias com suas lindas histórias e "causos" maravilhosos da infância. Parabéns pela sensibilidade e dignidade como conduziu este assunto, só seres iluminados como você, podem entrar e sair de situações "desnecessárias" criadas por "seres" sem cultura.

Que o Negrinho do Pastoreio esteja com você! Continue com essa capacidade de nos oferecer DIGNIDADE em ser POLITICAMENTE CORRETO.

Bravíssimo! Justiça seja (foi) feita.

Um grande e carinhoso abraço

Seu eterno fã e amigo

Eduardo Mendonça

Jannine disse...

Que bom ter vc de volta, senti saudades. Mas, o mais importante é que a justiça foi feita e vc pode voltar com alma lavada, passada e cheirosa.
Por falar nisso um grande cheiro para vc.

Isabela disse...

Que bom que ganhou a causa :)
É óbvio que você não quis ofender ninguém com aquele post sobre sabonete (era isso, não?). E estava explícito no seu post!

Ótima a história! Nunca tinha ouvido falar dela toda, só sabia de nome.

J.F. disse...

Marcos,
Tomei conhecimento do fato através do blog do meu amigo Marco (Antigas Ternuras) e vim aqui verificar. É incrível que ainda existam pessoas querendo reviver a Santa Inquisição. Ou ainda pior: verem-se pessoas ainda perdidas no obscurantismo da idade média, procurando e achando chifres em cabeças de cavalos. Não entender o espírito de seu blog, e em especial o texto sobre o sabonete Phebo, é possuir mentalidade pequena demais. São pessoas sem capacidade de entenderem o que estão lendo. É... Deixa prá lá!!! Já passou!!!
É a primeira vez que tomo conhecimento deste blog e que emito minha opinião. Mas, fiquei muito feliz com o desfecho. Parabéns! Foi uma bela lição para cima da cabeça desses "fora da realidade". Gostei demais de seu estilo e dos assuntos abordados. Um blog muito inteligente. Tomo a liberdade de fazer um link para cá, lá no meu blog.
Abração.

Marco disse...

Aê, Marcão!
Vitória! ainda existe bom senso neste país.
Gostei de ver o seu troco, com uma elegância que eu te confesso não sei se teria. Deu o nome dos caros senhores e ainda pediu a proteção do negrinho do Pastoreio para eles. Que Deus se apiede deles e lhes dê sabedoria.
Que bom estar de volta!
Mande brasa, escreva coisas legais como sempre.
Carpe Diem. Aproveite o dia e a vida.

Lusa Piancó Vilar disse...

Não consegui fazer esse comentário : Meu conterrâneo, meu amigo, a sua volta, já esperada, é comemorada por todas aqueles que tem sede de justiça.Coisas mesquinhas e sem sentido, tipo essa que aconteceu com você, fazem parte da vida dos brasileiros. Agora que tudo foi resolvido, vamos esquecer esse episódio. Tudo nessa vida, por pior que seja, tem sempre um saldo positivo. Os amigos se sentiram atingidos igualmente, os desconhecidos passaram a admirá-lo pela sua postura elegante e firme em todos os momentos em que fez a sua defesa.O mundo pode saber que Marcos Dhotha é um cidadão educado que, ao se sentir atingido, em momento algum perdeu o bom senso e a elegância tão peculiar aos que tem raízes plantadas no solo do sertão do Pajeú, onde a honra do homem é a sua palavra. Um forte abraço,continue postando em todas as cores, faz parte do nosso Brasil multicolorido.

Anônimo disse...

Marcos

Que alegria sua volta!Bela resposta, perfeita, com a hulmildade e o ensinamento do Negrinho do Pasoreio(quando crianca chorava ao ouvir esta história)Parabéns! Eestou feliz com sua volta e com a justa JUSTICA.
ANA

Jôka P. disse...

Marcos, com essa onda de processos até o famoso Preto Velho já está sendo chamado de “Afrodescendente Idoso".

Oliver Pickwick disse...

Rapaz, essa é do tempo que Adão era inspetor. Li pela primeira vez na escola, no curso primário. Até hoje ainda sei de memória.
Não sabia do ocorrido paranóico no qual o amigo foi envolvido. Enfim, fiquei feliz em saber que prevaleceu a justiça.
Um abraço e vida longa ao "Catravagens".

Nadja disse...

Não entendi nada... Peguei o bonde andando, mas tudo bem!

Só digo que sou uma mulher não vivo em 'guetos mentais' dos quais não me levam em lugar nenhum.

Por outro lado, abomino também o excesso de 'politicagem correta' que soa-me hipócrita na maioria das vezes.

Lendas brasileiras...

É natural que algumas lendas envolvessem personagens negros ou negras nas suas estórias.
Estórias, por sinal, tristes e cruéis que atestaram um passado nefasto vivenciado pelo povo escravo em nossa terra.

A Lenda do Negrinho do pastoreiro era bem conhecida antigamente, hoje talvez não.
Mas sempre é válido relembrar!


Abraços

Freddy Simões disse...

É com satisfação que vejo a sua retomada às postagens (e em grande estilo!). Textos sempre muito bem escritos e de conteúdo atrativo! Parabéns! Você sabe o quanto visitar seu blog é prazeroso para mim!

Grande abraço!

Frank Lucas disse...

Lenda e Lendas

Tudo sobre Lendas:

A Lenda da Cobra Grande

A Lenda da Cuca

A Lenda da Dama da Meia Noite

A Lenda da Iara

A Lenda da Mula sem Cabeca

A lenda da Mãe de ouro condições

A Lenda da Pisadeira

A Lenda da Procissão das Almas

A Lenda da Vitoria Regia

A Lenda de Macunaíma

A Lenda do Anhanga

A Lenda do Barba Ruiva

A Lenda do Bicho Papão

A Lenda do Boitata

A Lenda do Boto Cor de Rosa

A Lenda do Chocolate

A Lenda do Curupira

A Lenda do Diabinho da Garrafa

A Lenda do Halloween

A Lenda do João de Barro

A Lenda do Lobisomem

A Lenda do Negrinho do Pastoreio

A Lenda do Pé de Garrafa

A Lenda do Saci Perere

A Lenda do tesouro da fazendo do tesouro

Mitos e Lendas livros