.

.

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

KIKOS MARINHOS - OS INVASORES DO MAR -

Mas afinal o quem são esses “ETs” antecedentes à saga cinematográfica do Steven Spielberg. Os kikos Marinhos virou uma febre junto a criançada da década de 70. E  o que são realmente essas coisas chamadas de kikos Marinhos... Claro que a maioria da geração Pokemon e sua saga mitológica de excêntricos mangás, não possuem a menor ideia do que seja isso. Calma!! Eu vou explicar.... Os Kikos Marinhos eram uma espécie de kits revolucionários - mega modernos - que você comprava em qualquer banquinha de revista da esquina. Não eram tão caros...  Até que dava pra comprar com parte da mesada. Eles consistiam em dois minienvelopes que mais pareciam àqueles saquinhos tipo ki-suco (um contendo ovos desidratados de um animalzinho marinho fantástico e outro com comidinha para alimentá-los). Vinham embalados num papelão grosso com desenhos muito sedutores dos bichinhos humanoides que garantiam (algum dia, não sei quando!) se tornarem os melhores “pets” jamais vistos nos últimos anos...
Na verdade os tais Kikos Marinhos não passavam de “Crustáceos da Classe Branchiopoda”, mais especificamente, da espécie “Artêmia Salina”. E essa história de transformar ovos de artêmia em brinquedos de criança nasceu nos Estados Unidos nos anos 60. Conhecidos por lá como “Sea-Monkeys” (macacos do mar), eles eram super estranhos, tinham três olhos, quatro antenas, uma infinidade de patas, e dobravam de tamanho a cada dia, deixando as crianças deslumbradas e os pais enlouquecidos. 
Para se criar um habitat propício para os Kikos Marinhos em casa, o procedimento era bem simples. Bastava misturar o pozinho do envelope dentro de um pequeno aquário ou até mesmo em um 01 copo de geleia com água suficiente. Daí, nós, guris abestalhados ficávamos durante dias e dias, semanas e semanas, olhando aquela água parada e esperando os monstrinhos rabudos aparecerem para vir brincar e fazer incríveis performances acrobáticas como nos foi prometido na embalagem dos produtos. O que não acontecia, pelo menos comigo e com alguns colegas meus de escola. O que nunca aconteceu... O que acontecia na verdade era que a água com o passar do tempo ficava esverdeada, fedia a xixi de gato e criava lodo. Minha mãe não pensava duas vezes... “Esta água está podre, fedendo e vai agorinha mesmo pra privada...” E quem era louco de dizer que não.
Mas como todo menino teimoso e birrento, eu não desistia nunca... Queria ver para crer! Certamente a culpa tinha sido minha, vai que eu fiz alguma coisa errada e não deu certo. Daí corria novamente na banca de revista em busca de um novo kit e recomeçava todo o processo, passo a passo.  Na minha época não existia internet e nem porcaria nenhuma, então eu acreditava em tudo... E eu já havia escutado que existia uma menina que era vizinha da avó não sei de quem... Que criava uns Kikos Marinhos enooooormes.  Diziam até que os tais monstrinhos do mar brincavam com ela e tudo mais... Sério! Tinha criança que garantia e jurava de pé junto que já havia visto essa tal menina brincando com os Kikos Marinhos... Ai se eu te pego, hoje... Menina dos infernos! 
A procura por essas criaturinhas foi tanta nos anos 70, que se chegou a acreditar que tais monstrinhos pudessem representar um perigo ecológico, uma vez que, depois de terem sido comercializados por todo o mundo, o descarte indevido desses crustáceos proporcionasse uma invasão da espécie em novos ambientes prejudicando assim as espécies nativas. Uma bobagem insana, né não?... Pois é, mas eu acreditei! 
Atualmente os kikos Marinhos (Sea- Monkeys) ainda são comercializados nos EUA com o mesmo propósito de antes. É que os Kikos Marinhos são criaturinhas extremamente sensíveis e uma vez fora de seu habitat morrem facilmente. E convenhamos meu bem, aqui no Brasil eles foram cultivados de maneira rudimentar, muitas vezes dentro de copos de Geléia... No ano de 2006 os Kikos Marinhos foram relançados pela Editora Panini em kits de criação incluídos com a revista em quadrinhos e bonequinhos lançados com o mesmo nome. Pois é, e mais uma vez não deu certo... Atualmente no Brasil os tais “monstrinhos” e suas propagandas enganosas sumiram do mapa. Mas podem ser encontrados em lojas especializadas de aquário e são vendidos como comida para peixes
É triste para algumas crianças dos anos 70 entenderem que as tais criaturinhas do mar já não possuem graça nenhuma, perderam a credibilidade quando entenderam o que eram simplesmente artêmias (tipo um camarão minúsculo), que servem pra alimentar peixes e que não se  transformam em tais monstrinhos tão sonhados pelas crianças da época. Caso não elabore bem essas questões, procure um analista.

4 comentários:

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

caraca ... como eu não lembro disto ... pode??? rs

bjão

Pati Araújo disse...

Menino, vc me aparece com cada uma 'rs'
Esses eu não conhecia, super viajeiro!

"Ai se eu te pego, hoje...Menina dos infernos!"
Amei isso kkkkkk

Beijos pra vc, nosso querido Dhotta :-D

Pati e Lua

Anônimo disse...

Me lembro, trabalhava numa livraria e vendi muitos desses kits, mas nunca vi os tais monstrinhos. A internet permite voltar ao passado!!!

camilla souza disse...

Tava lendo uma pastagem no site BBC sobre esses bichos e vim parar aqui, como? Curiosidade + Internet=muitos sites curiosos.

Enfim, gastei do que vi aqui então voltarei!!


Até mais..