.

.

domingo, 5 de setembro de 2010

A ZEBRINHA DO FANTÁSTICO E OS RESULTADOS DA LOTERIA ESPORTIVA.

Esta meiga e simpática zebrinha, mas conhecida como a Zebrinha do Fantástico ou a Zebrinha da Loteria Esportiva, foi uma constante nas noites de domingo em frente a TV. Quem acompanhou o Fantástico de 1973 até 1986 lembra dela anunciando os resultados da Loteria Esportiva. Ela se tornou uma “DIVA” e permanece presente na imaginação de muita gente que vivenciou esse período. Essa “eqüestre listrada” foi criada pelo caricaturista da TV Globo, o famoso Borjalo (1925/2004), para fazer jus ao enorme sucesso da Loteria Esportiva no início dos anos 70. O que pouca gente sabe é que a zebrinha não surgiu no Fantástico. O personagem estreou em 1972 nas edições de segunda-feira do Jornal Hoje. No mesmo ano, deu o ar da graça no Jornal Nacional. Somente em agosto de 1973 é que passou para o Fantástico. E segundo minhas pesquisas feitas no site da Globo, a carismática zebrinha, de tão popular que ficou, chegou até a receber o título de “Cidadã Carioca”. Sortuda e poderosa essa Zebra, né não?
Antigos Volantes da Loteca.
Antigos Volantes da Loteca.
Antigos Volantes da Loteca.
Antigos Volantes da Loteca.
A Loteria Esportiva, na minha época de menino, era a modalidade mais importante de loteria brasileira mantida pela Caixa Econômica Federal. Não tinha “Megas” Sena e nem Quinas meu bem. Queria ficar rico? Era só marcar e acertar os 13 pontinhos na loteria. O jogador, ou melhor, o apostador, preenchia um cartão (igual a imagem mostrada a cima) e entregava-o na lotérica. Daí a casa loterica utilizava uma moderna máquina (manual!?) perfuradora de cartão, tecnologia IBM, chamada “Port a Punch” para furar dois cartões, um para o apostador (comprovante) e o outro, para a Caixa Econômica. E no final de todos os jogos - que se encerravam no domingo - entrava em cena um “potente” computador da CEF. Geeente! E num é que o danado do computador saia lendo cartão por cartão até encontrar o ganhador, ou ganhadores. Quase inacreditável, né não? Mas era assim mesmo! E o pior de tudo meu bem... É saber, com toda a certeza, que já pertencemos a esse tempo. Pronto! Satisfeitos? Parou por aqui... He,he,he.
Antigos Volantes da Loteca.
A Loteria Esportiva foi criada em 27 de maio de 1969 através do decreto-lei nº 594. Mas o seu primeiro teste só veio acontecer no dia 19 de abril de 1970. Data em que foi realizada - no antigo estado da Guanabara - uma rodada experimental com apenas cem mil bilhetes distribuídos. O primeiro apostador a ganhar sozinho na Loteria Esportiva foi Gilberto Furtado Medeiros, no teste número 5 da Loteria. Mas foi em maio de 1972, no teste 85, que uma ZEBRA inesperada no jogo entre Corinthians e Juventus, no Pacaembu, fez o primeiro milionário da modalidade: Eduardo Varela, mais conhecido como Dudu da Loteca, do então estado da Guanabara. Ele foi o único apostador que cravou os treze pontos do concurso, incluindo este jogo, em que o Corinthians tinha cerca de 95% das apostas, enquanto o Juventus vinha de cinco derrotas nas cinco primeiras rodadas e conseguiu vencer pelo placar mínimo. Dudu da loteca levou um total de mais de 11,6 milhões de cruzeiros. E em setembro de 1975, Miron Vieira de Sousa, de Salvador, ganhou sozinho um prêmio de 22 milhões de cruzeiros, considerado à época "o maior prêmio da Loteca e do mundo, em concursos de prognósticos". (Fonte: Wikipédia)
Antigos Volantes da Loteca.
A Loteria Esportiva perdeu credibilidade quando a partir de outubro de 1982, foram publicadas nos jornais de grande circulação, bem como, nas grandes revistas da época, denúncias de corrupção e manipulação de resultados. E depois disso, a coitada da Loteria Esportiva nunca mais se recuperou. E o pior de tudo: Nenhum dos acusados, entre jogadores, dirigentes, árbitros, técnicos e personalidades, foram presos. Em dezembro de 1987, a Loteria Esportiva passou a se chamar “Loteca” e a forma de apostas nos jogos sofreu algumas mudanças. Atualmente a Loteca está se arrastando no cenário das loterias. Sua arrecadação está longe da de quarenta anos atrás. Uma pena ! Mas fazer o que... Infelizmente, deu Zebra pra Loteca.
Era uma zebrinha cheia de “pantim” e “mungangas”. Eu adorava a cara dela, possuía uns olhos expressivos que nem os olhos de retróz da Emília. E tem mais, ela não se mexia. A única animação que se via, limitava-se a boca e ao festival de piscadela nos olhos. Um charme! Na verdade, a zebrinha era desenhada sobre uma cartolina, que deixava um buraco para a língua e outro para os olhos. O pessoal da produção do programa era quem se revezava na hora de dar movimento pra zebrinha. Pois na época não existiam grandes recursos técnicos assim... O queeee? Cenário virtual? Computadores de última geração? Nada disso meu bem. Era estúdio feito à mão.
Uma outra grande característica dela - que dividia opiniões - era no tocante a voz. Uns achavam irritante. Já outros, achavam um barato. Eu adorava! Assim que escutava a voz dela, corria pra junto da TV. Gostava de vê-la responder ao Léo Batista: “coluna 1”; “coluna 2”; “coluna do meeioooo... Mas o melhor momento era na hora do bordão: "Olha eu aí! Zêêêbra!!!" Kkkkkkkkkkk. A primeira voz da Zebrinha foi a do ator Pedro Braga. Algum tempo depois da estréia, Braga foi substituído pela atriz e dubladora Mara Lisi, que emprestou sua voz à personagem até o final. Enfim, após a “listradinha” anunciar todos os resultados e zebras possíveis, o matemático Oswald de Sousa - o homem calculadora - anunciava mais ou menos quantas pessoas iam faturar aquele prêmio. E eu, na minha inocência, achava o Tio Oswald meio burro. Como é que um cara que sabia quantas pessoas iriam ganhar na loteria, não ganhava ele mesmo... Isso não entrava na minha cabeça na época.  
Eu desde de pequeno sou fã declarado da Zebrinha do Fantástico. Mas existiam crianças que morriam de medo dela. Verdade! Há quem afirme ter traumas dela até hoje... Só em escutar a voz do antigo animalzinho de listras, treme nas bases... Frescura né?! Eu mesmo tenho um amigo que atribuiu à ela, o tique nervoso que adiquiriu na infância. Ele pisca os olhos a cada trinta segundos e diz que a culpa é da pobre da zebrinha... Pode? Tenha a santa paciência! Mas muitos desses medos a culpa é da mãe, da tia, da avó.... Meu primo Albérico quando criança também morria de medo dela. Culpa de quem? Da zebrinha? Nãããão... Da minha tia que fazia medo a ele: “Uiiiii, bixim! Vai comer não, né? Se você não raspar o prato agora, vou chamar a zebrinha do fantástico pra te pegar...”Coitado! Passava a semana inteira com a voz da zebrinha na cabeça... Graças a mim, nunca tive medo da zebrinha. As vezes eu tinha era raiva dela. Sabe porque? Toda vez que ela aparecia no fantástico - domingo a noite – eu me lembrava que o final de semana tava acabando e que na segunda feira era dia de acordar cedo e ir para aula.

16 comentários:

Tertúlias... disse...

Posso ser sincero? :-) Eu a achava super chatinha... agora esta deste teu amigo atribuir à pobre o tique de piscar os olhos a cada trinta segundos... Fiquei até com da zebrinha!!!

Paulo Braccini disse...

Caríssimo Marcos, seus posts possuem o dom de emocionar a todos q viveram estas épocas aqui retratadas ...

"Olha eu aí! Zêêêbra!!!" Kkkkkkkkkkk.

"Toda vez que ela aparecia no fantástico - domingo a noite – eu me lembrava que o final de semana tava acabando e que na segunda feira era dia de acordar cedo e ir para aula."

Assim mesmo ... bons tempos com certeza ...

bjux

;-)

Anônimo disse...

Aí!Amigo, quantas saudades deste tempo que eu ainda assistia televisão.

Como seria hoje? ela dando os resultados por ex:das pesquisas eleitorais, qual seria a cor das sua listras? ok, vamos deixar este assunto pra lá.

Deixei de ver televisão, não acredito mais na veracidade deste meio de comunicação, e novela ? Deus do Ceú Ver um Grande ator: Tony ser tão corno é demais para mim... prefiro a net. e sites como a Verdade sufocada, e mídia sem máscara e tantos outros... e claro os nossos.

Quero á ética da Zebrinha de volta, quero tudo no preto e branco.
Enaide Alves.

Lulu disse...

Meu Deus tio, eu não era nem nascida. Nasci em 95 e nem sei que zebrinha era essa. Mas achei ela super fofa. Uma miguxa! Tipo assim... Quase uma drag, coisa e tal. kkkkkkkkk. Beijos

Irene Sampaio - Publicitária disse...

Marcos, acho que você não tem noção da riqueza que é o seu blog para nós... É de uma delicadeza comovente. Esse espaço precisa ser mais divulgado, publicado, sei lá. É um dos melhores sites retrô do Brasil. Muito Obrigada pelas emoções aqui vivenciadas. Beijo terno.

Elisabete Diniz disse...

Minha amiga Irene Sampaio falou do seu Blog/Site e eu vim aqui, constatar, se tudo que foi dito por ela, era verdade. E que verdade! Estou encantado com a leveza e o nível das pesquisas. Você entra por aqui e não quer mais sair. Parabéns Marcos. Tudo por aqui é encantador e tem um charm todo especial.

Paulinho Patriota disse...

Querido,

E a risadinha cúmplice de mofa quando havia uma "zebra"? A bichinha parecia ser egocêntrica. Imagine-se o semblante do apostador com ganas de esganá-la...

Muito bom ter a certeza das rememórias em teu memorial do afeto.

Abraços.

Lusa Vilar disse...

Meu Deus! Será que vai dar zebra o que eu vou dizer sobre a zebrinha? Mas eu vou arriscar. Toda vez que a zebrinha aparecia me vinha a memória a grande atriz Miriam Pires, acho que pelos grandes olhos verdes que ambas possuiam. Com todo respeito, eu fazia esta associação de imagem, vai saber o que se passa nas profundezas das conexões cerebrais! A zebrinha parecia uma caricatura da atriz, algo parecido com a arte de Chico Caruzo.
Gostei de revê-la e gostaria muito que a grande Miriam não tivesse nos deixado, excelente atriz que viveu grandes personagens no teatro, no cinema e nas telenovelas brasileiras.
Em homenagem a ela e para me redimir dessa maluca associação, deixo o link que nos faz saber tudo sobre a sua grande atuação: http://pt.wikipedia.org/wiki/Miriam_Pires

Beijos,amigo, obrigada pela refexão.

Socorro Melo disse...

Olá, Marcos!

Você vai pegar essas coisas em que fundo de baú? kkkkkk

Ah, relembrei com saudade da zebrinha do fantástico!

Eu achava meio irritante aquela vozinha, mas, gostava dela mesmo assim.

Aguardo com expectativa seus posts, pois, sei que com certeza relembrarei momentos bons da minha infãncia e adolescência.
Parabéns, Marcos!

Socorro Melo

Marco disse...

Ah... Eu me lembro... Quantas vezes conferi o cartão cheio de sonhos de virar um novo Dudu da Loteca (que perdeu todo o dinheiro em maus negócios) e faturar sozinho a Loteca...
Nos bolões lá do trabalho, ganhamos duas vezes, mas deu tão pouquinho dinheiro que reinvestimos em jogos.
Da zebrinha eu lembro que o ator que fez a primeira voz dela se envolveu em algum rolo e acabou preso, sendo substituído por uma voz de mulher.
No mais, concordo com você: era a zebrinha aparecer e a gente sabia que o final de semana tinha acabado. Aliás, hoje quando ouço a musiquinha do Fantástico tenho a mesma sensação.
Carpe diem. Aproveite o dia e a vida.

Tânia Meneghelli disse...

É verdade, Marcos. A zebrinha aí hoje se transformou no Faustão, o maledeto que decreta a chegada da segundona brava. Mas dá uma réiiiiiiiiiiiiva! kkkkkkkkkk!!!!

Beijoca!

Taís disse...

Eita saudade boa!!!
Adorava quando ela dizia "coluna do meeioooo" rsrs. Tenho a voz a dizer isso na minha cabeça até hoje...
Pena que ela era associada à segundona braba mesmo rsrs.
bjos

Tertúlias... disse...

Marco, esou embarcando parao Rio em tres horas...

Angela Ursa disse...

Eu me divertia com a zebrinha do fantástico! Beijos floridos da Ursa

Claudinha ੴ disse...

Olá Marcos!
Mas que lembrança boa! Eu criança que era no início dos anos 70, corria logo para perto da tv só para ver a Zebrinha. Meu avô e meu pai copiavam meus palpites e eu os falava tentando imitar a Zebrinha. Que bom chegar aqui e renovar minhas lembranças. Valeu!
Beijo.

Ana Cavalcantti disse...

Oiii !
hahaha...que saudades da zebrinha...eu sou das que achavam um barato rs...eu era criança e esperava por ela rs...ô tempos que não voltam !!!
Beijo